Azul. Essa é a única coisa que sou capaz de ver. Mas era de se esperar que a velha tinta usada para disfarçar o que havia acontecido com meu cabelo se misturasse com a água fria que habitava a banheira. O gotejar da torneira em meus pés me leva em um transe pelo passado, enquanto afundo sou capaz de sentir cada gotícula de água vasculhar os arquivos de minha memoria a fim de descobrirem como cheguei a esse ponto chave da minha vida. Ou poderia dizer ex-vida? Eu sinceramente não sei. Há escuridão em mim é a única coisa que sou capaz de afirmar no momento, não há do tipo que um acender de luzes pode resolver...ah se fosse tão fácil assim, a escuridão que aqui habita é muito maior e mais forte que isso, aquele que vai te cercando aos poucos e te deixando sem saída, quando você percebe ela já te engoliu. Essa é a hora em que sou engolida.


Estou submersa em mim. De tanto absorver os outros transbordei como um velho balde quando vão embora e apagam as luzes mas se esquecem completamente que deixaram a torneira ligada e ele apenas transborda sem parar. Essa sou eu agora. Agua negra. Sabia que se afogar dói? Mas eis um segredo que vou lhe contar, só dói enquanto você luta, enquanto você rejeita a agua e não á deixa entrar, quando você para de lutar e a aceita a dor imediatamente vai embora e tudo não passa de imensidão. Loucura não é mesmo, “parar de lutar faz com que a dor vá embora” será?

Emergi. Afastei a escuridão e deixei a agua, não sei o porque mas não queria mais fazer parte daquilo. De tanto transbordar havia chegado no meu nível novamente. Estava pronta para continuar tentando isso era um fato. Havia agua azul para todo lado no velho ladrilho do banheiro, o que aconteceria se eu tivesse deixado a escuridão me abraçar? Tão distante que estava levaria uma imensidão para me tirarem de lá. Loucura? Não, cansaço. Mas mesmo chegando no fundo, no ultimo degrau fui capaz de ver um feixe de luz, um que foi capaz de me puxar para cima. Se continuarei a lutar? Bem nem sei em que luta estou, mas sei que ainda não esta na hora de abraçar a escuridão.



Olá minha gente!


Hoje venho dar mais uma super dica a você relacionada a Editora Illuminare!!! Eles estão com uma nova seleção de contos aberta e o melhor de tudo, sem um tema específico. Os contos serão selecionados de acordo com o alfabeto, ou seja, de "A a Z".



Hey! Hoje é dia de resenha. Esperei muito pela chegada do livro do Cortella em parceria com a Editora Planeta. Quando chegou, tive a oportunidade de encontrá-lo na Bienal e ter meu exemplar autografado. Tudo bem que não foi tão fácil assim e rendeu um ótimo vídeo que espero em breve mostrar para vocês. Mas, vamos a "Viver em paz para morrer em paz" primeiro:

Título: Viver em Paz para Morrer em Paz
Autor: Mario Sergio Cortella
Editora: Planeta
Páginas: 176
Gênero: Filosofia, bem-estar
Skoob

Se você não existisse, que falta faria? Para responder à essa pergunta, o filósofo e escritor Mario Sergio Cortella discute o que é importante nessa vida. Não é ser famoso e nem acumular coisas e propriedades, em uma obsessão consumista. Importante é ser importante para alguém, ou seja, fazer falta para alguém. Como? Neste livro, Cortella aponta alguns caminhos e nos faz pensar sobre as razões da existência. 






Autora: Ka Hancock
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Ano: 2013

Sinopse: Lucy Houston e Mickey Chandler não deveria se apaixonar.Os dois sofrem de doenças genéticas:Lucy tem um histórico familiar de câncer de mama muito agressivo  e Mickey,um grave transtorno bipolar.No entanto,quando seus caminhos se cruzam,é impossível negar a atração entre eles. Contrariando toda lógica que indicava que sua história não teria futuro,eles se casam e firmam por escrito um compromisso para fazer o relacionamento funcionar.Mickey promete tomar os remédios.Lucy promete não culpá-lo pelas coisas que ele não pode controlar.Mickey será sempre honesto.Lucy será paciente. Como em qualquer relação eles têm dias bons e ruins,alguns terríveis.Depois que Lucy quase perde uma batalha para o câncer ,eles criam mais uma regra: nunca terão filhos para não passar adiante sua herança genética. Porém durante uma consulta de rotina,Lucy é surpreendida com uma notícia extraordinária,quase um milagre que vai mudar tudo o que ela e Mickey haviam planejado.De uma hora pra outra todas as regras são jogadas pela janela e eles terão que redescobrir o verdadeiro significado do amor.



Olá pessoal! No post de hoje vamos valorizar a literatura brasileira. É claro que existem diversos autores da gringa que nós adoramos, mas que tal lermos obras daqui também? A minha recomendação de hoje é de um autor do estado onde estou morando atualmente, Sergipe. Ton R. Joseph me enviou esses dias um conto seu, "O que nós fizemos?", e posso dizer que foi uma leitura bem proveitosa, por isso vou deixar a sinopse aqui, e quem tiver interesse em saber mais, pode ler a resenha do conto aqui, e adquirir ele na Amazon.

imagem: Estante 450
Sinopse: Sol. Praia. Bebidas e diversão. Cristina e seus dois irmãos, Miguel e Rafael, estão tendo um final de semana perfeito em Ilhabela na casa de praia da família, o trio planeja os preparativos do primeiro aniversário de casamento de Miguel. Tudo está indo perfeitamente bem na viajem, até que duas garotas misteriosas são vistas do lado de fora da casa. Miguel sai para ver se ambas precisam de ajuda, mas acaba não retornando. Preocupados, Cristina e Rafael saem à procura do irmão, mas acabam sendo atacados por jovens mascarados que tentam a todo custo matá-los. Agora, presos dentro da casa e isolados do mundo, os irmãos tentarão encontrar uma maneira de sair dali e descobrir o que fizeram para aquelas pessoas quererem matá-los.




Me atrevo a dizer o quão equivocados estão todos em pensar que todo poeta é bêbado, que todo poeta é fumante, lhe digo menina estão todos enganados, somos amantes, somos poetas, somos mar em tempestade, somos luz na escuridão e isso não nos torna um viciado, isso nos torna forte.

Somos excesso de sentimentos em recipiente pequeno e as vezes tudo que mais precisamos é transbordar, sei que um copo de Whisky e um bom cigarro pode nos aliviar, mas acredite isso não melhora a situação, isso não faz com que possamos nos sentir vivos, livres, isso só torna mais fácil e menos dolorosa a tempestade aqui dentro. Não digo que todo poeta sofra desse mal, para alguns é bem mais fácil, para eles é como se tudo fluísse, como se tudo a sua volta motivasse, mas para poetas como eu menina escrever as vezes é como lutar contra os demônios que há dentro de você, uma forma de escapar deste caos.

Tudo para nós é poesia, cada traço, cada passo, cada sorriso e até mesmo olhar, tudo se remete a palavras, tudo se transborda mas no entanto o mundo não quer saber e certas palavras as vezes devem ficar bem guardadas, acumuladas no coração, na garganta, na alma mas chega uma hora que elas pedem, ou melhor gritam para sair e é nesse momento que a bebida ou a cigarro se fazem presente. Quantas vezes me viste andando de uma lado para o outro com um cigarro na mão, ou até mesmo um copo daquele velho conhaque perdido no fundo do armário? Eu sei que não foram poucas, mas acredite foi uma luta e no fim foi o melhor.

Não somos perturbados, nem malucos como muitos dizem só sentimos demais, todo e qualquer sentimento se torna excessivo para nós, quando amamos, amamos profundamente e isso as vezes só nos machuca mais afinal o mundo está tão repleto de amores vazios e superficiais, declarações não se fazem mais como antes e o "eu te amo" se tornou um bom dia no dia-a-dia, com raiva somos impulsivos e cegos, somos a razão em carne e osso, depois que ela passa menina nos afundamos num mar de tristeza, somos solitários mesmo em meio a tantos, somos apenas nós. Não peço que tente me entender pois isso nem eu mesmo consigo mas peço que saiba diferenciar sou poeta, não um bêbado.


Olá leitores!
Se vocês curtem ir ao cinema como eu, estão sempre acompanhando as estreias que estão rolando certo?
Esse mês, para facilitar o trabalho de vocês, vou deixar aqui as melhores estreias para o mês de outubro, é só garantir o ingresso e a pipoca!
5 de outubro
Blade Runner 2049: Trinta anos após os acontecimentos do primeiro filme, a humanidade está novamente ameaçada, e dessa vez o perigo pode ser ainda maior. Isso porque o novato oficial K (Ryan Gosling), desenterrou um terrível segredo que tem o potencial de mergulhar a sociedade no completo caos. A descoberta acaba levando-o a uma busca frenética por Rick Deckard (Harrison Ford), desaparecido há 30 anos.
imagem: Blade Runner Movie


Vlogueiro, produtor e músico, Hank Green, mais conhecido pelo canal Vlogbrothers, criado com seu irmão John Green, lançará em 2018 seu primeiro romance. An Absolutely Remarkable Thing (ainda sem título em português) tem lançamento previsto nos EUA para o outono de 2018.

O romance conta a história de April May, uma estudante de arte que vive em Nova York e tem um encontro inusitado com uma gigantesca estátua de robô em plena Manhattan. Com a ajuda de um amigo, Andy Skampt, ela filma a criatura e o batiza de Carl. Quando o vídeo viraliza, April descobre que há vários “Carls” espalhados por dezenas de cidades em todo o mundo, e ninguém sabe como eles chegaram lá. April se vê no centro desse mistério, e tenta descobrir o que esses robôs gigantes são, e o que querem da Terra.

Resultado de imagem para An Absolutely Remarkable Thing