Hoje é dia de resenha! A primeira resenha dos livros da editora parceira Planeta e tenho que dizer que começamos muito bem. Não sou muito de ler livros de poesia, quando gosto de alguma pesquiso mais sobre o autor e leio aleatoriamente, mas Rupi Kaur consegue montar um belo livro, que reúne poesias do seu íntimo e pessoal e nos faz pensar. Vamos lá:

outros jeitos de usar a boca, Rupi Kaur.
Editora: Planeta
Ano: 2017
208 pág.
Tradução: Ana Guadalupe
ISBN: 978-85-422-0930-3
Compare e compre

'outros jeitos de usar a boca' é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.


Hey pessoal,

Faz um tempo que eu não trago ilustrações aqui para vocês, e como estava esses dias pela internet e encontrei ilustrações bem fofas, resolvi fazer esse post, e nada melhor para voltar a postar do que escolher um dos meu filmes favoritos da vida para trazer ilustrações bem legais não é?!


Oi gente! TVD chegou ao fim, mas The Originals retornou com tudo! Depois da queda da família original por Marcel, como vimos na terceira temporada, a expectativa para o retorno estava nas alturas. Graças a força que a personagem Hayley ganhou, já que ela que ficou responsável por acordar todos eles, e pelo artificio utilizado pela produção, a passagem de tempo. Quando descobrimos, surtamos com a possibilidade de ver a pequena Hope maiorzinha. E para nosso prazer, lá está ela, do alto dos seus mais ou menos 7 anos.


Se teve um filme aguardado por mim foi o live-action da " A Bela e a Fera". Quem me conhece sabe que a história ultrapassa o favoritismo e beira o fanatismo. Tenho adesivos, camisetas, boneca, fotos... A Bela sempre foi a princesa que mais me identifiquei e a mensagem por trás da história é linda, não é não? Por esse motivo, fui correndo na estreia para conferir a adaptação da animação.


Hi people! Depois de me debulhar em lágrimas com a finale de TVD, agora é hora das lágrimas serem de alegria com a estreia do live-action "A Bela e a Fera", pelo qual aguardei muito. É amanhã! Pensando nisso, vim trazer mais ilustrações das princesas Disney aqui pro blog, já faz um tempo que a não as vemos de uma maneira diferente. A de hoje, é sem dúvida, uma das mais legais. Quem conhece o estilo pin-up? O termo surgiu entre as décadas de 40 e 50 para designar as imagens de mulheres com forte atrativo sensual que eram ilustradas em larga escala, fazendo parte assim do que conhecemos como cultura pop. Essas imagens seriam nada mais que ilustrações, pinturas ou fotografias de atrizes e modelos que representavam a época. As imagens eram usadas especificamente para revistas, cartazes, cartões postais e principalmente calendários, que foram muito utilizados por soldados na Segunda Guerra Mundial. Esses deixavam os calendários pendurados, por isso, o termo pin-up de pendurar em inglês. Então. olhem bem para as princesas mais sexys que já viram:



Sexta-feira passada, depois de anos em que eu não me sentia ansiosa por um episódio, me vi novamente como nos tempos áureos de TVD, em frente ao computador, para assistir ao vivo. E assim o fiz. São tantos sentimentos depois de ver essa finale, que precisei pensar e repensar antes de vir aqui dividir com vocês. Depois de muito choro, é claro. Apesar do triângulo ser o "ponto central" da série, eu mesma já tinha comentado aqui que a história girava em torno dos irmãos Salvatore e do amor que um sente pelo outro. A saída de Nina Dobrev na sexta temporada só confirmou isso: todas as tramas eram sempre ao redor da instabilidade emocional que os dois tinham, mas que, apesar de tais conflitos, sempre voltavam um para o outro. Até esse episódio. Até esse final.


Buenas tardes! É hoje a 5ª tarde literária Illuminare. Já fui a algumas, claro, e super indico! A troca nesses eventos são fantásticas. Dessa vez é em São Paulo e não poderei estar presente, mas quem vive por lá, não tem desculpa. Vem, gente:


5ª TARDE LITERÁRIA - Editora Illuminare - São Paulo
Uma tarde de literatura cheia de autores talentosos, sorteio de livros, lançamento de novos títulos da editora Illuminare e muito mais.

LOCAL: Biblioteca Municipal de Barueri Eny Cordeiro
Rua Ricardo Peagno, 78.
HORA: 14:00 AS 17:00

LANÇAMENTO DAS ANTOLOGIAS:

REIS E RAINHAS - Contos medievais 



Oi gente! Hoje tem resenha de um livro especial. Ele foi a primeira publicação da Beatriz Andrade, blogueira do que participou comigo do "Bastidores: Um dia na vida de um blog literário". Conheci a Bia no lançamento do nosso livro e como uma boa fã de romance policial, me interessei de cara por "72 horas de Tensão." Vamos lá?

Título: 72 Horas de Tensão.Autora: Beatriz Andrade. ISBN-13: 9788555261459. ISBN-10: 8555261457. Ano: 2015.Páginas: 270. Idioma: Português.Editora: Autografia.Gênero: Romance policial / Literatura Nacional.Adicione ao Skoob.


Cristina trabalha como caixa em um banco e em um dia corrido recebe um bilhete que muda o rumo de sua vida, sua irmã foi sequestrada e só ela tem o poder de libertá-la, os sequestradores a querem usar em um grande esquema que envolve além de muito dinheiro, um poderoso empresário com negócios obscuros como bicheiro, envolvido com traficantes e milicianos, a quadrilha que sequestrou sua irmã, quer informações e usam Ana como isca, Cristina se vê envolvida em um perigoso jogo e não pode contar a ninguém, no entanto consegue driblar a quadrilha e conta com a ajuda de Clarice, diretora do colégio de Ana, e Ricardo um agente federal. Em 72 Horas de Tensão acompanhamos os três dias em que Cristina tenta tirar sua irmã das mãos dos sequestradores e ainda, paralelamente, a trajetória de cada um dos quatro integrantes dessa quadrilha,onde nem tudo é o que parece, até que as histórias se cruzam no grande dia em que eles sequestram a pequena Ana, quando a história se encaminha para o fim o destino faz uma revira volta na situação e o inesperado acontece, surge uma grande traição que muda o rumo de tudo, mas novamente quando as coisas parecem se acertar, Cristina se vê à beira de uma morte cruel e dolorosa sem ter como escapar.Uma trama surpreendente que leva o leitor a se envolver com a história desde sua primeira página, 72 Horas de Tensão, é envolvente e tenso do inicio ao fim e seu final guarda grandes surpresas.